• Acessibilidade
  • +
  • -

15 de março, 2018 Projeto Celinas da OAB/RN incentiva participação da mulher na política

No mês dedicado às mulheres, a Comissão de Direito Eleitoral da OAB/RN lança, no próximo dia 16 de março, às 9h, na sede da Seccional Potiguar, o Projeto Celinas. A iniciativa consiste em uma excursão pelo processo histórico de participação das mulheres na política do Rio Grande do Norte, e também na realização de encontros direcionados ao público feminino, com objetivo de incentivar a participação da mulher na política partidária.

Segundo a coordenadora do Celinas e vice-presidente da Comissão de Direito Eleitoral, a advogada Thais Medeiros de Assis, o Brasil está atrasado em relação a igualdade de gênero e na política não é diferente.“Embora a participação de mulheres na política do Brasil tenha crescido nos últimos 27 anos, o país ocupa a 115ª posição no ranking de mulheres no parlamento, apesar de serem maioria da população e do eleitorado, o percentual se aproxima ao dos países do Oriente Médio e do norte da África”, lamenta.  

Conforme dados extraídos do sistema do Tribunal Superior Eleitoral -TSE, nos pleitos 2014 e 2016,  o diagnóstico é de que a média de não eleitas nas candidaturas a deputadas federais, estaduais e vereadoras alcança a marca dos 90%. Com intuito de modificar esta realidade o Projeto Celinas da OAB/RN irá produzir conteúdos informativos, promover encontros, workshops entre a sociedade civil, partidos políticos e instituições públicas, de modo a estimular a filiação delas em partidos políticos viabilizando  candidaturas no pleito de 2018.

Ao final, em uma segunda etapa, será realizada uma análise do número de cadeiras ocupadas por mulheres, para apresentar a importância de projetos que promovam a participação efetiva do gênero feminino nas eleições. A iniciativa conta com a parceria da Grupo de Pesquisa de Direito Eleitoral da UFRN e do Instituto Potiguar de Direito Eleitoral-IPDE.

A inspiração: Sobre Celina Guimarães

Celina Guimarães Vianna: Foi a primeira eleitora do Brasil, alistando-se aos 29 anos de idade. Com advento da Lei nº 660, de 25 de outubro de 1927, o Rio Grande do Norte foi o primeiro estado que estabeleceu que não haveria distinção de sexo para o exercício do sufrágio. Assim, em 25 de novembro de 1927, na cidade de Mossoró, foi incluído o nome de Celina Guimarães Vianna na lista dos eleitores do Rio Grande do Norte. O fato repercutiu mundialmente, por se tratar não somente da primeira eleitora do Brasil, como da América Latina.

Por: Dannyelle Nunes

VOLTAR